Bom Dia !

 29/04/2017 - 02:38:32
Buscar em: 
 
 Textos
 Parceiros
Hospede seu site na:


 
HUMILDE LUIS CAUGUSTO





HUMILDE LUIS CAUGUSTO



O humilde Luis, cara muito acanhado
Vive escondido, quem sabe ocultado
Esnobado, repelido e deixado de lado
No vão do balcão de um super mercado
Mostrado reiteradas vezes como desqualificado
E assim jamais foi negociado
E sequer um naco dele foi comprado
Portanto em tempo algum fora degustado
Mas o simples Luis não é um revoltado
Não porta bandeira e nem planfeto é mostrado
Não fecha via pública e nem é aloprado
Quem sabe Luis Caugusto, como cão seja acabrunhado
Com o tempo já decorrido até já seja mofado
Porém, com seus botões ali ficou a confidenciar
Um dia a porcaria toda vai boiar
A falcatrua e  a enganação serão mostrados
E assim seus amigos da tropa legal
Seguiam a investigar
O bonachão do arraial
Figura de exportação internacional
Com seus garotos propaganda
Só estrela de primeira grandeza
A brilhar na mesa como realeza
Até uma global deu seu toque com nobreza
E hoje há até que se perguntar
Degustando com tanto prazer
Em frente às câmeras o saborear
Produto sem qualidade e misturado
Com papelão, cabeça de suino
E  sabe-se lá até pedaço de sino
Atiçando do consumidor o paladar
Será que o intestino dela azedou?
Gás sufridico insuportável gerou
E assim com seu matrimonio acabou
Pois o pobre maridão o odor não suportou
E hoje o que se tem de verdade
É uma sociedade estupefata e traida
Mais uma vez atingida
Pela cruel e covarde realidaqde
Mas quem os cornos não é a enganada
Mas sim o enganador que é e foi
O mais divulgado e fabuloso boi
Amigo de ”rei, e outras estrelas”
Sob os holofotes a sociedade a vê-las
Mas isso agora vai mudar e com bis
O produto da  vez passa a ser o mero Luis
Que vai para cima do balcão
Fazer a alegria do cidadão
E mostrar que tem qualidade e não é ladrão
E nem participa de corrupção
E apesar de ser Caugusto
Nada tem relação com vida de cão.
Lúcio Reis
Belém-Pa-Brasil
Em 18/03/2017

Lúcio Reis


Código do texto: db334fddf23b64a971cad7e95d697af7
Enviado por: Lúcio Reis em 19/03/2017
Copyright © 2017 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


 
Ler Comentários [0]


 Escrever comentário

 
Sobre o autor
Lúcio Reis
Belém, PA, Brasil


Ver mais textos deste autor
 




 Publicar texto
    
Esqueceu a senha ?

 Visite também
 Sites e Blogs de Autores
 SITE DO AUTOR AVSPE
 IndaHost


 Divulgação
Minutos de Poesia
Manoel de Almeida

R$ 25.00

VER...SO CURTO E GROS
ANTONIO CABRAL FILHO

x x

A Terra Em Agonia
Manoel Virgílio

R$ 20.00

Antologia 15 Postal C
ANTONIO CABRAL FILHO


O Brasil que Merecemo
Lúcio Reis

R$ 30.00

FRAGMENTOS DE PALAVRA
Escritora Vera Salbeg

R$ 20.00

Minha Trova Favorita
ANTONIO CABRAL FILHO


Tempo de Felicidade
Geziel Ramos

R$ 12.00

Livro Diário Do Escri
ANTONIO CABRAL FILHO


Cinza Dos Ossos - Poe
ANTONIO CABRAL FILHO



VER MAIS LIVROS
 



Copyright © INDAHOST 2017 Todos os direitos reservados No ar desde 01/09/2012.

| Home | Cadastro | Textos | Autores | Livros | Mural | Site Autor | Contato | Privacidade | Termos de uso |

Desenvolvido por © Fritsche
Google